Minha história, sua história, nossa história

  ana.jpg

HISTÓRIA DE UMA ALFABETIZADORA

Nasci em 1963, na cidade de São Paulo. Meus pais eram analfabetos, migrantes do nordeste, em busca de melhores condições de vida. Até completar sete anos, levava uma vida feliz. Corria pelos campos existentes aos arredores da casa e brincava  de pular corda, pique esconde, roda e amarelinha, com meus irmãos e amigos. Não tinha ainda consciência  da triste condição de meus pais que viviam na extrema pobreza, pois apesar de meu pai trabalhar muito, ganhava apenas um salário minimo, insuficiente para cobrir os gastos de uma família tão numerosa.  Foi quando entrei  na escola  que comecei a perceber as diferenças sociais e  sofrer as suas consequências. Não tinha uniformes, sapatos, nem meteriais bonitos como a maioria das crianças da sala. Mesmo assim adorava estudar. Tirava sempre boas notas e raramente faltava ás aulas. Uma das coisas que  me chateava na escola era ter que mentir para a professora que cobrava a presença de minha mãe nas reuniões da escola. Dizia que ela era muito ocupada nos cuidados da casa e com meus irmãos, mas na verdade sabia que ela não comparecia porque sentia vergonha de dizer que não sabia escrever ,quando era convidada a assinar a lista depresença.  muitas vezes sentei-me a seu lado para tentar ensiná-la a escrever o nome, mas ela dizia que já era velha e burra demais para aprender.  Na terceira série, passei com a maior nota da classe e ganhei como prêmio da professora um livro que contava a história de um menino que vivia em uma terra em que as crianças nunca cresciam.  Apesar de  achar a história bonita, de ter sido o meu primeiro livro, aquele que despertou em mim o gosto que sinto até hoje pela leitura. Pensava cá com meus botões, que não gostaria de viver naquela  terra.  Ao contrário de Peter, tinha pressa em crescer.  Sonhava em me tornar professora, e ajudar muitas pessoas a ler e escrever, para que não ficasse pobres como meu pai, nem “burra” como se dizia minha mãe.

Anos mais tarde, com a morte de um irmão, que não recebera os cuidados necessários a tempo, para ser curado de uma simples desidratação, pude perceber que a gravidade do  analfabetismo ia mais além do simples fato de saber ou não escrever o próprio nome. Mesmo  orientada e alertada por um farmacêutico, sobre a gravidade da doença, minha mãe, insegura que era, por não conhecer a cidade grande, e nem sequer conseguir tomar um  ônibus que a levasse até o hospital mais próximo, resolveu rezar e esperar por meu pai, que quando o socorreu já era tarde demais.  Superado o trauma da perda, continuávamos a vida.  Eu prosseguia com os estudos e agora, já era uma adolescente, e continuava sonhando com o magistério. Porém as circunstâncias da vida me levaram á outro rumo.  Aos treze anos me apaixonei, e como o namoro foi proibido por meu pai, fugi de casa, casei-me,   e tive três filhos. Os cuidados com a família passaram a ser minha única ocupação. Não encontrava mais tempo nem sequer para ler um livro.  Ás vezes em conversa com meu esposo falava do meu sonho de retornar a escola, mas a oposição dele era muito grande. Somando este fato á dificuldade de encontrar alguém para cuidar das crianças, e os problemas financeiros que enfrentávamos, fui deixando o sonho de lado, porém sempre tinha a impressão de que estava faltando algo em minha vida.     Dez anos mais tarde, quando as crianças já estavam crescidas, capazes de cuidarem de si, decidi fazer matrícula em uma escola do bairro para dar prosseguimento aos estudos. Mas no ano seguinte tive que desistir da idéia, quando descobri que estava grávida novamente.   Assim mais seis anos se passaram e apesar de amar minha família, estava ficando cada vez mais infeliz. Foi quando encontrei uma amiga antiga, dos tempos de ginásio, que compartilhava comigo o sonho de ser professora, agora já formada e dando aulas, que percebi o mal que fizera a mim mesma, ao deixar minha vida de lado, para dedicar-me somente á família.   Então, novamente decidi retornar aos estudos e ingressei no CAAM,(Centro de Alfabetização de jovens e Adultos), na Universidade São Judas, para cursar a sétima série do antigo ginasial.  Terminando a oitava série, sai do CAAM e ingressei no Ensino Médio, na Escola Técnica Estadual, Profº Camargo Aranha, que ficava situada atrás da Universidade. Por muitas vezes olhava, pela janela a Universidade, e  me dispersava das aulas sonhando em um dia poder estudar ali.

Na mesma época ingressei na escola, iniciei também um trabalho com Educação de jovens e adultos na comunidade, que costumava freqüentar. Os alunos eram provenientes do antigo projeto MOVA (movimento de alfabetização), que estava em fase de extinção. a única professora que resistira á falta de incentivos do governo, estava com problemas de saúde e iria abandonar a classe. Como eu ministrava aulas de evangelização e reforço para crianças da comunidade, fui convidada para assumir a classe. Durante  três anos trabalhei com os alunos da comunidade e outros que iam chegando. Fui acumulando conhecimento e descobrindo a melhor forma de ajudá-los. Terminei o ensino médio e como  não tinha ainda condições de entrar na faculdade, resolvi fazer um curso técnico de nutrição, enquanto esperava respostas dos programas do governo, nos quais havia feito inscrição para conseguir uma bolsa de estudo. Faltava um semestre para terminar o curso de nutrição quando ingressei na Universidade São Judas e iniciei o trabalho no CAAM, a mesma escola que freqüentei quando resolvi retornar aos estudos.   Atualmente, estou cursando o quarto ano do curso de pedagogia, com ênfase em coordenação, administração e supervisão escolar.   Vivo com a filha caçula que agora está com quinze anos. Dois dos meus filhos se casaram e me deram cinco netos. A filha do meio foi estudar no exterior  Tenho superando alguns conflitos e me preparo para enfrentar novos desafios. pois estes fazem parte da nossa vida. Sem eles, com certeza ela não teria muito significado. Além disso, agem como uma alavanca que nos impulsiona e nos auxilia, na busca do desenvolvimento e aprimoramento, tanto no campo pessoal, cultural, cognitivo ou social.

954608003_81096d86721.jpg

 

Apresentando o aluno Mário Abrileri

“Eu, Mário Abrileri, quando era criança não obedecia a minha mãe. Ela me levava para a escola e, eu fugia, não queria estudar, porque eu gostava de brincar na rua de jogar bola.

A minha mãe me dava conselhos, mas eu não obedecia.

Eu fui um menino muito levado, eu discutia com meus pais porque não queria trabalhar. Eu gostava de ficar na farra porque os meus colegas ficavam. Meus irmãos não gostavam das minhas atitudes e achavam ruim comigo.

Minha mãe falava: “As horas passam e você não cria juízo”.

Eu fui um rapaz que não gostava de conselhos, tive a oportunidade de arrumar bons empregos para trabalhar e ajudar a minha família, mas eu não queria ouvir conselhos de ninguém, porque eu gostava de fazer as coisas que eu queria.

Meus pais e meus irmãos gostavam muito de mim.

Luciana, eu peço desculpas porque eu fui um menino muito cabeçudo… Essa foi a minha vida”.

Hoje, Mário Abrileri é aluno do CAAM, está no IV termo do primeiro segmento.

Ele é um aluno muito dedicado e esforçado, sempre interessado em aprender mais.

O seu interesse maior é aprender a Divisão, poir ele adora a matemática, e também a ler e escrever rapidamente.

Apesar das suas dificuldades, o aluno é um exemplo de vida para todas as pessoas!

Parabéns Seu Mário!

mario-abrileri-2.jpg

Anúncios

7 Respostas so far »

  1. 1

    prof.Dinéia Hypolitto said,

    Ana gostei muito da sua história de vida, apesar dos percalços, você continuou corajosamente enfrentando os desafios, e hoje você estava no Auditório da Reitoria da Universidade São Judas Tadeu para relatar como trabalhou juntamente com a sua colega professora Marina para alfabetizar alunos da comunidade no Programa de Alfabetização do CEAM. Fiquei emocionada com o relato que fez, e com a sua trajetória profissional. É isso aí menina, tudo” vale a pena se a alma não for pequena”. Continue batalhando e brilhando sempre . Parabéns!Dia 22/08/2007. Abraços Pedagógicos. Prof. Dinéia Hypolitto

  2. 2

    Raimundo said,

    Parabéns Ana, bela história de vida! Continue assim: “Sendo uma página em branco, à espera de palavras eternas, escritas por Deus para você” (Do Filme: Fernão Capelo Gaivota);

  3. 3

    ana granado said,

    obreigada Raimundo por suas palavras gentis.
    Ana granado.

  4. 4

    Ana Paula said,

    tenho uma filha com retardo mental moderado, gostria que vcs me ajudassem a encontrar a escola certa para ela já passou por mil escolas e ainda não adiantou nada hoje ela esta com 15 anos preciso de muita ajudas se vcs poderem me ajudar me mande algum recado ou telefone que eu possa me comunicar. Obrigado. Ana Paula

  5. 5

    sahra said,

    nossa que legal apesar deu nem ler uhaushuahu

  6. 6

    MARIA PAULA DE LIMA SANTOS said,

    ME CHAMO MARIA PAULA DE LIMA SANTOS, TENHO 38 ANOS, SOU CASADA E TENHO 3 FILHOS MARAVILHOSOS. SEMPRE TIVE O SONHO DE SER PROFESSORA E SOMENTE AGORA É QUE TIVE A OPORTUNIDADE DE INGRESSAR NA FACULDADE DE PEDAGOGIA. ESTOU ACHANDO MUITO DIFICIL ESSE PRIMEIRO SEMESTRE, É MUITA TEORIA, MAS TAMBÉM SEI QUE É O INÍCIO DA REALIZAÇÃO DO MEU SONHO. NÃO QUERO SER SIMPLESMENTE MAIS UMA PROFESSORA, EU QUERO FAZER A DIFERENÇA. MUITOS ACHAM QUE EU ESTOU FICANDO LOUCA POR ESCOLHER UMA PROFISSÃO COMO A DE PROFESSORA, MAS MUITO POUCA GENTE ENTENDE QUE NÃO SE TRATA SIMPLESMENTE O FATOR DE SER PROFESSORA, TRATA DE TER O DESEJO DE DAR ALGO MAIS EM RELAÇÃO A EDUCAÇÃO A CRIANÇAS QUE ESTÃO CLAMANDO POR ATENÇÃO, CARINHO QUE NA GRANDE PARTE ELES ESPERAM DA PROFESSORA. MINHA MAIOR ESPERANÇA É QUE A EDUCAÇÃO NO BRASIL, PASSE POR UM MILAGRE (porque é exatamente isso que eu acho que a educação precisa- de um milagre) E ASSIM NOSSAS CRIANÇAS POSSAM TER UM FUTURO MELHOR . AGUARDO COMENTARIOS E SUGESTÕES.

  7. 7

    Gisele Santos Fabbo said,

    Olá Ana também sou pedagoga e em meio de minhas pesquisas por acabei por acessar seu blog, agora estou aqui maravilhada com sua coragem, encantada e grabdemente emocionada com sua história de vida, parabéns, que Deus continue abençoando muito você e toda sua linda família, saúde, paz, amor e muito sucesso


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: